Modalidades

Excesso de bagagem viva

Viagem Acompanhada: você e seu mascote viajando juntos.

Para a grande maioria dos países destinos e cias aéreas, é possível você e seu mascote viajarem juntos, no mesmo vôo.

As exigências burocráticas (documentações), são as mesmas para viajar acompanhado ou desacompanhado.

Viajar junto com o mascote é sempre o ideal: É muito mais econômico para você e é muito mais seguro e confortável para o mascote.

Quando se viaja acompanhado, o mascote poderá ir na cabine juntinho com você, ou no porão da mesma aeronave:

Na cabine

Para viajar na cabine, o mascote não deverá ultrapassar 7 kg, ou 8kg (mascote + bolsa de transporte). Deverá ser acondicionado em bolsa “soft” (bolsas maleáveis, tipo de tecido ou couro – medida máxima padrão é 55cm comprimento  X 40cm altura X 23cm largura), e poderá ser alimentado e hidratado pelo proprietário durante a viagem, assim como trocar os tapetes higiênicos, se houver necessidade. O proprietário fica junto com o mascote a viagem inteira.

  • Algumas cias aéreas, não aceitam animais na cabine.

  • Algumas cias aéreas tem pesos e medidas diferentes para bolsas de transporte na cabine.

  • Algumas cias aéreas não aceitam levar raças braquicefálicas (focinho achatado, ou curto): Buldogue Francês, Pug, Boston Terrier, Pequinês, Boxer, Buldogue Inglês, Shih Tzu, Dogue de Bordeaux, gatos Persas e outras.

 

 

No Porão

O espaço reservado para animais no porão do avião, tem temperatura ambiente e pressurização igual a da cabine de passageiros, portanto não há riscos. Porém aconselhamos raças braquicefálicas , sempre que possível viajar na cabine, junto aos proprietários. Os mascotes que tiverem pesos superior a 8kg (bolsa de transporte + mascote) deverão viajar no porão, ou mesmo se tiverem peso inferior a 8kg, poderão viajar no porão se o proprietário preferir. No porão as regras para caixa de transporte são diferentes das regras para cabine: o mascote deverá ser acondicionado em caixa de transporte rígida de acordo com os padrões IATA. Ou seja, a caixa deverá ser de plástico, metal, ou madeira e a grade obrigatoriamente deverá ser de metal. O mascote deverá girar na caixa com conforto e com as 4 patinhas no chão, deverá existir um espaço de pelo menos 5cm entre a cabeça e o teto da caixa.

O proprietário se separa do mascote no momento do check-in e só irá revê-lo na chegada do destino final, embora viajem na mesma aeronave.

  • Algumas cias aéreas, não aceitam animais no porão.

  • Algumas cias aéreas tem limites de peso e medidas para caixa de transporte.

  • Algumas cias aéreas não aceitam levar raças braquicefálicas (focinho achatado, ou curto) no porão: Buldogue Francês, Pug, Boston Terrier, Pequinês, Boxer, Buldogue Inglês, Shih Tzu, Dogue de Bordeaux, gatos Persas e outras.

  • Algumas cias aéreas não aceitam levar raças perigosas, ou de combate (Rotweiller, Pit Bull, Fila, Akita, Dogo argentino e etc.)

  • Algumas cias aéreas aceitam levar raças perigosas ou de combate. Somente em caixas especias.

 

 

Carga Viva

Viagem Desacompanhada –  seu mascote viajando sozinho.

Nesta modalidade de transporte o mascote será considerado “carga viva” e não “excesso de bagagem viva” (como na modalidade acompanhado). Deverá haver a presença de um aduaneiro para despacho do mascote e deverá ser comprado o espaço onde mascote viajará (frete aéreo). A viagem poderá ser em avião de carga ou de passageiro (porão), e dependendo do país destino poderá ser necessário a contratação de um aduaneiro local para a liberação da carga viva na chegada e poderá também haver incidência de impostos. O ambiente onde o mascote viajará tem temperatura e pressurização igual ao da cabine de passageiros, portanto não há riscos. Porém aconselhamos raças braquicefálicas , sempre que possível viajar acompanhado aos proprietários na cabine.

A caixa de transporte deverá ser rígida de acordo com os padrões IATA: A caixa deverá ser de plástico, metal, ou madeira e a grade obrigatoriamente deverá ser de metal e a junção das partes da caixa deverá ser por parafuso e não encaixe. O mascote deverá girar na caixa com conforto e com as 4 patinhas no chão, deverá existir um espaço de pelo menos 10cm entre a cabeça e o teto da caixa.

O mascote deverá estar a disposição do Ministério da Agricultura do Brasil e para a Cia Aérea, para efeitos de fiscalização,  pelo menos 6 horas antes do horário previsto para o embarque. E o local de apresentação deverá ser no terminal de exportação do Ministério da Agricultura do Brasil no aeroporto de partida.

  • Algumas cias aéreas de carga tem limites de peso e medidas para o conjunto (mascote + caixa de transporte).

  • Algumas cias aéreas de carga não aceitam levar raças braquicefálicas (focinho achatado, ou curto): Buldogue Francês, Pug, Boston Terrier, Pequinês, Boxer, Buldogue Inglês, Shih Tzu, Dogue de Bordeaux, gatos Persas e outras.

  • Algumas cias aéreas de carga não aceitam levar raças perigosas, ou de combate: (Rotweiller, Pit Bull, Fila, Akita, Dogo Argentino e etc.).

  • Algumas cias aéreas de carga aceitam levar raças perigosas, ou de combate, somente em caixa de transporte especial.

 

Porta-a-porta – viagem acompanhada por um agente da passport.pet

Seu mascote viajando junto com um veterinário.

Nesta modalidade, um agente da passport.pet (veterinário), retira o mascote na residência no Brasil, e entrega com toda a segurança na residência destino. O mascote poderá ir na cabine, ou no porão, dependerá do peso e tamanho do mascote. Terá a supervisão do veterinário em tempo integral e o proprietário receberá informações e fotos de todas as etapas da viagem em tempo real.

Garantia de uma viagem tranqüila e segura!