Como preparar seu pet para viagens

PREPARANDO O MASCOTE PARA UMA VIAGEM TRANQUILA E ACOSTUMANDO O MASCOTE COM A CAIXA DE TRANSPORTE

Caixa de transporte para pet
Caixa de transporte para pet

O ideal é adquirir a caixa de transporte com antecedência para que o mascote tenha tempo suficiente para se acostumar com a caixa. Existem duas maneiras para eliminar, ou pelo menos amenizar, o trauma da caixa de transporte: 

1ª- Nunca feche a caixa por completo até o dia da viagem,  disponibilize  a  caixa  para  o  mascote  aos poucos, por partes: Inicialmente, por alguns dias, use somente a parte de baixo da caixa, coloque panos com cheiro dele e da família, jogue brinquedos e alimente-o dentro da caixa (somente a parte de baixo). Conforme ele for se acostumando, coloque a parte de cima da caixa, porém sem a grade por mais alguns dias. Mais perto da data da viagem, coloque a grade, mas mantenha-a aberta (não feche a grade). E, somente no dia da viagem feche a grade.

Caixa de transporte para pet
Caixa de transporte para pet

2ª- Antes das refeições, coloque o mascote dentro da caixa e feche-o por 15 ou 20 minutos, abra a caixa, faça um afago e sirva-lhe a refeição. E, somente no dia da viagem feche-o definitivamente dentro da caixa.

ENSINANDO O MASCOTE A USAR O BEBEDOURO AUTOMÁTICO

Adquira o bebedouro automático com antecedência, pois caso o mascote nunca tenha utilizado, devemos ensiná-lo. Coloque alguma guloseima (ração molhada, requeijão, carne moída e etc) que ele goste muito na ponta do bebedouro (onde ele deve tocar para sair água), vá diminuindo a quantidade de guloseimas a ser colocada na ponta do bebedouro gradativamente. Para testar o aprendizado, tire todas as tigelas com água da casa, e deixe apenas o bebedouro automático preso no lado externo na grade da caixa de transporte (para que ele não entre na caixa para utilizá-lo).

Veja aqui uma pequena coleção de caixas de transporte:  https://www.cobasi.com.br/transporte

MANTENDO A SAÚDE DO MASCOTE EM DIA

Quando o mascote viaja para outro país, ele encontra outra atmosfera, outro clima e está sujeito a adquirir doenças que não existem no Brasil, para as quais ele não foi imunizado ou não possui anti-corpos. Este quadro pode ser agravado por uma eventual baixa de resistência de alguns dias, causada pelo “stress” da viagem.

Por isso, é muito importante manter as vacinas em dia, se possível vacine contra Giárdia, Gripe e V-10, além da raiva (obrigatória para quase todos os países destino).

Antes da viagem leve o mascote ao veterinário, para uma avaliação da saúde, aplique antiparasitários externo e interno (procedimento padrão). Se houver falhas na pelagem ou feridas na pele, trate a tempo, pois alguns países podem proibir a entrada do mascote sob suspeita de doença infecto contagiosa ou parasitária.

Se precisar de qualquer ajuda, entre em contato com a passport.pet .